Já vimos nos textos “A importância da Consultoria Ambiental para sua empresa” e “Sistemas de Gestão Ambiental” as vantagens da adoção de técnicas e práticas que buscam a diminuição dos impactos ambientais das empresas ao meio ambiente.

Ao adotar um sistema de gestão sustentável, as empresas precisam se adequar as leis ambientais e criar mecanismos que as possibilitem continuar se desenvolvendo ao mesmo tempo em que preservam onde atuam. Minimizar seus impactos, utilização de recursos e a geração de resíduos não são tarefas fáceis e exigem complexos estudos da organização na busca pelas melhores opções e estratégias a serem adotadas.

A auditoria ambiental surge então para certificar se as empresas realmente estão cumprindo com a legislação e adotando as práticas do Sistema de Gestão Ambiental. Por meio delas, há a verificação e avaliação da gestão e a confirmação se elas realmente se alinharam ao ESG ou se apenas praticam o greenwashing.

Tipos de auditoria

As auditorias variam de acordo com quem as realiza, fazendo com que tenha resultados diferentes em cada caso. Elas podem ser realizadas por: órgãos fiscalizadores; entidades de controle externo; e empresas privadas.

As normas das auditorias realizadas pelos órgãos fiscalizadores podem variar de acordo com o estado ou órgão. Elas fazem a fiscalização, principalmente, do cumprimento da legislação ambiental, apuração de denúncias, concessão de licenças e cálculo de danos.

As auditorias das entidades de controle externo verificam se os investimentos públicos estão de acordo e a possibilidade de financiamentos e empréstimos.

Por fim, existem diversos tipos de auditoria das empresas privadas, que variam de acordo com seu objetivo. Sendo elas:

Resumindo, as auditorias ambientais são usadas para a verificação do comprometimento das empresas com as normas e leis ambientais. Por meio delas, realizam-se avaliações periódicas buscando adequar todas as organizações aos padrões de desenvolvimento necessários para um planeta mais sustentável.